Faça parte do nosso programa de fidelidade!

Alergia alimentar: as frutas mais perigosas para os bebês

 874 Visitas  14 de maio de 2020  Edgar Faria
Alergia alimentar

Algo que preocupa muito as mamães é a possibilidade de seus bebês ficarem doentes. Entre os problemas de saúde que podem atrapalhar as brincadeiras dos pequenos está a alergia alimentar.

E algo que poucas pessoas sabem é que algumas frutas, mesmo muito saudáveis, podem provocar essas reações alérgicas. Isso acontece quando elas são oferecidas logo no começo da introdução alimentar, quando organismo do bebê ainda está se acostumando com os novos alimentos.

Por isso, é recomendado que essas frutas entrem no cardápio da criançada apenas quando elas completarem um ano. Assim, já será mais natural para o corpo digerir diversos tipos de ingredientes.

Mas quais são essas frutas? Nós vamos explicar tudo! Acompanhe a leitura:

Frutas mais perigosas

As frutas consideradas mais alergênicas, ou seja, que geram mais riscos de alergias, são:

Contudo, vale lembrar que cada organismo é diferente. Seu bebê pode consumir essas frutas listadas acima sem nenhum problema e ter alergia a algum outro alimento menos comum, por exemplo.

Introdução alimentar correta também pode evitar alergias

É recomendado também que a introdução alimentar, quando o bebê começa a ingerir outros alimentos que não são leite, seja feita apenas a partir dos seis meses de idade.

Isso tem um motivo: antes dessa fase, o sistema imunológico da criança ainda está imaturo. Dessa forma, problemas de saúde e alergias possuem maiores possibilidades de ocorrerem. 

Assim, a introdução de novos alimentos e, consequentemente, novas substâncias, deve acontecer apenas quando o organismo da criança está um pouco mais desenvolvido. A amamentação exclusiva nos primeiros seis meses é essencial para essa proteção e desenvolvimento. 

Alergia alimentar pode ocorrer com introdução de novos alimentos
A introdução alimentar deve ser feitas apenas aos seis meses de idade

Como identificar a alergia alimentar

Vários sintomas caracterizam a alergia alimentar. No sistema digestivo há vômitos, diarreia, gases e cólicas. Entretanto, também há sinais na pele, com manchas avermelhadas, inchaço e coceira.

Além disso, a criança também pode ter inchaço na língua e rosto, tosse e, nos casos mais graves, dificuldade séria para respirar (situação chamada de “choque anafilático”).

O que fazer?

Durante os primeiros dias de introdução alimentar, orienta-se que cada alimento seja oferecido separadamente para que, caso alguma reação alérgica aconteça, fique mais fácil identificar qual a causou.

Você também pode tirar dúvidas com o seu pediatra e saber se, de acordo com o histórico de saúde da família do bebê, é possível fazer algum teste de alergia antes da introdução alimentar.

Porém, caso o problema aconteça, é sempre necessário levar a criança ao médico. Enquanto os sintomas forem mais brandos, como manchas na pele, não há necessidade de urgência. Entretanto, se a criança tiver dificuldade de respirar, ela deve ser levada imediatamente ao hospital. 

Alergia alimentar na introdução alimentar
Devem ser apresentados diversos alimentos aos bebês para que as refeições sejam ricas em nutrientes

Não se esqueça dos outros alimentos

Apesar de que as frutas são os alimentos mais comuns no início da introdução alimentar, não se deve oferecer apenas elas por muito tempo. Verduras, legumes e outros grupos de alimentos também precisam fazer parte das refeições dos bebês a partir dos seis meses. 

Dessa forma, haverá mais nutrientes nas refeições, o que ajudará na manutenção da saúde e no desenvolvimento da criança. Todavia, também fique atenta a respeito das reações alérgicas geradas por esses outros alimentos.

E o seu bebê, tem alergia a algo? Compartilhe com a gente nos comentários e vamos trocar experiências para deixar nosso pequenos mais saudáveis!





Visite nossa loja física
Visite nosso site.
Contate-nos
Ganhe   5% OFF