Faça parte do nosso programa de fidelidade!

Vale a pena usar o andador para ajudar a criança a andar?

 1.715 Visitas  2 de janeiro de 2019  Rock Content
Bebê no andador

Quando a criança começa a querer dar os primeiros passos, algumas mães se perguntam sobre a possibilidade de usar um andador para bebê. Esse, talvez, junto à chupeta, seja um daqueles itens controversos, que arrancam uma diversidade de opiniões sobre o tema.

A verdade é que, quando a questão envolve o próprio filho, cada mãe tem uma opinião baseada nas experiências que já passou e nas informações que ouviu por aí. E, claro, todas têm suas razões.

No entanto, aquelas que estão vivenciando essa fase pela primeira vez persistem um pouco nas dúvidas. Dessa forma, trouxemos algumas orientações importantes sobre o assunto. Acompanhe!

Quando a criança começa a querer andar?

Cada bebê se desenvolve de uma forma diferente, assim é impossível colocar regras sobre a idade exata. Esse fator é influenciado pela hereditariedade, estímulos e condições neurológicas, sendo irrelevante associá-lo a maior ou menor inteligência. Na maioria dos casos, costumam andar no período entre os 10 e os 18 meses. Assim, os pais devem evitar ficar comparando as habilidades de seus filhos.

É possível, ainda, estimular a criança para que ela desenvolva a marcha mais rapidamente. Por exemplo, um adulto pode pegar o bebê pelas duas mãos e incentivar os primeiros passos. Também é possível ficar a alguns centímetros de distância do filho e deixar que ele chegue sozinho. É importante, nesses casos, dar atenção ao calçado, que deve ser antiderrapante para evitar escorregões.

Afinal, pode usar o andador para bebê?

A polêmica começou pelo motivo de alguns anos atrás terem acontecido vários acidentes sérios com crianças. Hoje, os andadores já estão mais seguros por terem mudado seu design. Ainda assim, se os pais optarem pelo uso, devem acompanhar a criança o tempo todo.

É possível deixá-la brincando nele durante alguns minutos por dia. Há famílias que estipulam um período de 30 minutos, por 3 vezes ao dia. Uma das vantagens do andador é que os bebês costumam se divertir por se sentirem livres para ir de um lado a outro. Já para os pais, ele costuma ajudar naqueles momentos em que estão impossibilitados de pegar a criança no colo, como uma mãe que esteja cozinhando.

O importante é que o bebê esteja sempre sob a supervisão de um adulto, pois, por ele ser ainda muito novo, precisa de alguém para apontar o que é perigoso.

Ainda que a criança treine no andador, é importante o estímulo para engatinhar e andar sozinha. Pois são essas atividades que desenvolverão a força nos músculos para se sustentarem.

Que cuidados a família deve ter?

Primeiro, a criança só deve testar o andador se já puder sentar e engatinhar. Isso porque ela precisa ter os músculos fortalecidos. Na escolha, é recomendado optar por um modelo que tenha uma base mais quadrada — o que dará um apoio mais seguro.

É importante que o espaço esteja livre de tapetes ou qualquer outro objeto que possa enroscar nas rodas e fazer o bebê tropeçar. As escadas também são perigosas, assim a criança deve estar longe delas quando brincar. Outros fatores para se prestar atenção são a postura e a pisada do filho. Afinal, uma postura incorreta, por exemplo, pode causar problemas na coluna mais tarde.

Dito isso, o andador para bebê pode ser usado, desde que seguidas todas essas orientações. Ele servirá apenas como um incentivo para a criança se sentir mais segura ao dar os primeiros passos. No entanto, poderá ser deixado de lado assim que os pais perceberem que o filho já está bem independente para andar sozinho.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe-o nas redes sociais para que outros pais tenham acesso a essas informações relevantes!

 





Visite nossa loja física
Visite nosso site.
Contate-nos
Ganhe   5% OFF