Diabetes gestacional: o que você precisa saber sobre a doença

 899 Visitas  23 de janeiro de 2019  Rock Content
Diabetes gestacional

Durante a gravidez, nosso corpo passa por inúmeras transformações para permitir o desenvolvimento do bebê. As flutuações hormonais, bem conhecidas por mexerem com nosso humor, também contribuem para desencadear a diabetes gestacional, uma doença metabólica que atinge algumas mulheres e interfere no crescimento do bebê.

O problema pode ocorrer com qualquer uma de nós e nem sempre surgem sinais de que algo não vai bem. Por isso, os exames e consultas pré-natais são fundamentais para diagnosticar a diabetes durante a gestação, permitindo o acompanhamento e tratamento do quadro.

Quer saber mais sobre essa condição, seus fatores de risco e como evitar ou conviver com o problema? Então, continue conosco que contamos tudo para você!

O que causa a diabetes gestacional?

Em situações rotineiras, o pâncreas é responsável por produzir insulina sempre que os níveis de glicose no sangue sobem. Isso faz com que ela seja usada para as atividades do corpo ou armazenada na forma de gordura para reserva energética. Como consequência, a glicemia retorna aos níveis normais.

Durante a gravidez, no entanto, a placenta produz hormônios que atrapalham a ação da insulina. Contudo, para compensar esse quadro, o pâncreas acelera sua atividade.

Quando isso não acontece da forma adequada, surge a diabetes gestacional, uma doença caracterizada pelo aumento dos níveis de glicose no sangue e que pode trazer complicações tanto para a mulher quanto para o bebê.

Há riscos com a diabetes na gestação?

Da mesma forma que a mãe, o bebê também percebe o excesso de glicose no sangue. Isso sobrecarrega o pâncreas da criança, que começa a produzir mais insulina desde cedo, favorecendo o aparecimento de quadros de obesidade e diabetes na vida adulta.

O aumento da insulina no bebê promove ainda o crescimento de órgãos e tecidos, fazendo com que ele nasça com um tamanho acima da média. O excesso de peso do recém-nascido, no entanto, não deve ser visto como sinônimo de bebê saudável, uma vez que há acúmulo de gordura subcutânea, e o agigantamento de algumas estruturas pode trazer problemas de saúde.

A diabetes gestacional, diferentemente de outros tipos de diabetes, desaparece espontaneamente depois do parto. Entre 3 e 7 dias após o nascimento do bebê, os níveis de açúcar retornam ao normal. No entanto, mulheres que apresentam o problema têm mais chances de se tornarem diabéticas no futuro.

Quais são os fatores que favorecem a doença?

Embora todas as mulheres possam desenvolver diabetes durante a gravidez, algumas estão mais propensas ao problema. É o caso daquelas que apresentam:

 O problema apresenta  sintomas?

Assim como outros tipos de diabetes, a diabetes gestacional costuma passar despercebida. Nesse sentido, os sintomas surgem apenas quando as taxas de açúcar no sangue estão muito elevadas e se confundem com outros sinais comuns da gravidez, incluindo:

Como é feito o diagnóstico?

O acompanhamento pré-natal é fundamental para diagnosticar doenças que podem surgir durante a gravidez, incluindo a diabetes. Nesse sentido, o ginecologista ou obstetra avalia os fatores de risco e solicita os exames necessários para avaliar se tudo vai bem.

Normalmente, o problema aparece no início do 3º trimestre da gestação. Por isso, a Sociedade Brasileira de Diabetes recomenda que todas as gestantes em torno da 24ª semana de gravidez avaliem sua taxa de glicose em jejum e, ainda mais importante, realizem o teste oral de tolerância à glicose.

Esse exame, também conhecido como curva glicêmica, é feito em laboratório e consiste em monitorar a glicemia após a ingestão de um líquido rico em açúcar. A glicose é medida em jejum e após 1, 2 e 3 horas de a mulher ter bebido o líquido concentrado.

As ultrassonografias, solicitadas normalmente ao longo de toda a gravidez, também ajudam a diagnosticar a diabetes. Assim, quando o médico percebe um aumento no volume de líquido amniótico e o crescimento acelerado do bebê, é preciso investigar mais a fundo se a mãe está com as taxas de glicose no sangue elevadas.

A condição pode ser tratada?

Devemos ressaltar que a diabetes bem controlada, em que a glicemia é mantida dentro dos parâmetros normais, não causa problemas ao desenvolvimento do bebê. No entanto, os riscos surgem caso os níveis de glicose no sangue permaneçam constantemente elevados.

Por isso, uma vez diagnosticado o problema, a gestante deve adotar medidas para manter a glicemia sob controle. Na maioria dos casos, mudanças no estilo de vida são suficientes para controlar as taxas de açúcar. Por meio de dietas com restrição ao consumo de doces e com a prática de atividades físicas, muitas mulheres convivem com a diabetes sem sustos.

As gestantes que não conseguem controlar adequadamente a glicemia com dieta e exercícios são orientadas a usar insulina. Essa medida é segura durante a gestação, e aquelas que eram diabéticas anteriormente podem continuar com a insulinoterapia durante a gravidez.

No entanto, para as diabéticas, é ainda mais importante que a gestação seja planejada. Alguns medicamentos são contraindicados durante a gravidez, portanto, podem ser necessárias substituições para garantir a saúde da mãe e do bebê.

A boa notícia é que a diabetes gestacional costuma desaparecer espontaneamente após o parto. No entanto, quando isso não acontece, é um sinal de que a mulher era diabética antes mesmo de engravidar; e a gestação apenas agravou o problema. Nesses casos, ela deve procurar orientações com um endocrinologista para avaliar as melhores condutas.

É possível prevenir a diabetes gestacional?

Sim! A melhor estratégia de prevenção é apostar em hábitos de vida saudáveis. Portanto, isso inclui investir em uma alimentação balanceada, pobre em doces e alimentos industrializados, e incluir atividades físicas na rotina, desde que com o devido acompanhamento médico.

Essas medidas não apenas previnem a diabetes na gestação, mas também garantem que o bebê receba todos os nutrientes necessários ao seu desenvolvimento. Portanto, capriche na escolha dos alimentos e tenha uma gravidez mais tranquila e segura!

Embora a diabetes gestacional mereça atenção, receber o diagnóstico da doença não quer dizer que o bebê enfrentará problemas. Com os cuidados adequados, mãe e filho podem passar pela gravidez com tranquilidade, rumo a um final feliz. Para isso, é importante não descuidar do pré-natal e buscar orientação médica sempre que achar necessário.

Este conteúdo é esclarecedor? Então, assine nossa newsletter e receba artigos relevantes como este diretamente em seu e-mail!

 





Visite nossa loja física
Visite nosso site.
Contate-nos
Ganhe   5% OFF

Quer economizar 5% em sua compra?

Cadastre-se e regate agora!

× não quero desconto